Esporte

0

próxima partida do Joinville é novamente muito importante para as pretensões da equipe do Norte de Santa Catarina na Série C do Campeonato Brasileiro. Depois de sete rodadas, o time pode voltar à zona de classificação para a próxima fase do torneio.

+ Confira a tabela completa da Série C
Joinville quer voltar para casa no G-4 (Foto: Divulgação/JEC) Joinville quer voltar para casa no G-4 (Foto: Divulgação/JEC)

Joinville quer voltar para casa no G-4 (Foto: Divulgação/JEC)

No dia 4 de junho, quando entrou em campo diante do Botafogo-SP, o Tricolor estava no G-4, mas perdeu por 3 a 0 e deixou o grupo dos quatro melhores. Para Charles, contra o Tupi-MG, no sábado, a equipe de Pingo deve atuar da mesma forma que vem fazendo nas últimas partidas – são quatro jogos de invencibilidade após a mudança no comando técnico.

– Vai ser um jogo difícil, vai ser um jogo de seis pontos. Nesse último jogo tentamos, mas conseguimos só empatar. Vamos jogar da mesma forma, buscando o gol a todo tempo. Vamos lutar bastante para conseguir a vitória – destacou o defensor.

O encontro entre Joinville e Tupi-MG está marcado para a tarde de sábado, às 16h, em Juiz de Fora. Com 15 pontos, o JEC é o sexto colocado na tabela. O São Bento, primeiro time dentro do G-4, tem 16.

Confira mais notícias em GloboEsporte.com/

2

abe aquela história de “envelhecer anos em alguns dias”? É mais ou menos o que passou a renovada seleção brasileira feminina de vôlei esta semana. Repleto de jogadoras que ainda iniciam sua caminhada com a camisa do time principal do Brasil, o jovem grupo montado pelo técnico José Roberto Guimarães superou uma prova de fogo na última etapa da fase de classificação do Grand Prix, em Cuiabá. Precisando vencer os três jogos para evitar uma eliminação precoce, a equipe aguentou a pressão, evoluiu a cada partida e alcançou o objetivo ao passar com autoridade por Bélgica, Holanda e as eternas rivais dos Estados Unidos. Mais maduro, o time, que segue em busca de uma nova identidade, embarca com moral para a Fase Final do torneio, que será disputada na China, entre os dias 2 e 6 de agosto.

– Acho que toda essa dificuldade que a gente passou, até o último momento, dá uma condição diferente para o time. Saímos de uma situação de quase desclassificados, aquela coisa de todo dia ter que olhar para a pontuação, os adversários, fazer conta. E quando você passa, o time cria força com isso. Entende que pode sair de situações difíceis. Até porque a gente passou a jogar melhor, isso é notório. O pessoal sabe que a gente vai incomodar – avaliou Zé Roberto.
Brasil x EUA – Grand Prix vôlei Cuiabá – Zé Roberto (Foto: FIVB) Brasil x EUA – Grand Prix vôlei Cuiabá – Zé Roberto (Foto: FIVB)

Brasil x EUA – Grand Prix vôlei Cuiabá – Zé Roberto (Foto: FIVB)

Sem poder contar com nomes como Sheilla e Fabiana, que anunciaram aposentadoria da seleção após a Rio 2016, Thaísa e Gabi, que estão machucadas, ou Dani Lins, afastada com planos de ser mãe, o treinador teve que promover uma grande renovação no elenco para esta temporada. São apenas duas remanescentes da última Olimpíada: Natália e Adenízia. Outra referência é Tandara, ouro em Londres 2012. Todas as demais são jogadoras que ainda buscam se firmar com a camisa amarela, como a jovem ponteira Rosamaria, a levantadora Roberta, a central Carol e a líbero Suelen.

O início do time no Grand Prix foi bastante irregular. Duas vitórias sem convencer muito contra Bélgica e Turquia e uma derrota para a Sérvia na primeira etapa. A semana seguinte começou com um ponto alto: o troco na forte Sérvia na abertura da segunda etapa. Porém, na sequência, o Brasil voltou a jogar mal, não conseguiu apresentar resposta à escola asiática e sofreu derrotas inesperadas para Tailândia e Japão.

Apenas em sétimo na tabela – somente os cinco primeiros avançavam -, a seleção chegou a Cuiabá para a última etapa da fase de classificação sob forte pressão. Para tornar a situação ainda mais complicada, entraram ainda o cansaço e a falta de tempo para treinar por conta da maratona de viagens entre Turquia, Japão e Brasil.

Sem poder pensar em voltar a perder, o time entrou nervoso para o reencontro com a lanterna Bélgica, mas esquentou com o passar da partida e venceu bem por 3 sets a 0. Veio então o primeiro grande teste, contra a embalada Holanda, que vinha de três vitórias seguidas. Mais um triunfo, desta vez, jogando muito bem na maior parte do jogo: 3 sets a 1. As combinações de resultados dos outros grupos ajudou a aumentar a pressão e o Brasil entrou para encarar a forte seleção dos Estados Unidos no último jogo sendo obrigado a vencer para se classificar. Mais uma vez, atuação madura e dominante, e novo placar de 3 sets a 1.

– Isso é bastante positivo para a gente. Começamos o Grand Prix muito mal. A segunda etapa foi desastrosa. Mas fomos nos recuperando. As derrotas também serviram de alerta para o que precisamos fazer para o futuro em preparação e treinos – completou Zé Roberto.
Adenízia, Tandara e Natália são as mais experientes do renovado grupo da seleção (Foto: Divulgação / Fivb) Adenízia, Tandara e Natália são as mais experientes do renovado grupo da seleção (Foto: Divulgação / Fivb)

Adenízia, Tandara e Natália são as mais experientes do renovado grupo da seleção (Foto: Divulgação / Fivb)

Muito experiente, o técnico sabe que o caminho para o novo grupo ainda é longo. O sistema ofensivo, puxado por Natália e Tandara, tem correspondido. Já o bloqueio, comandado por Adenízia e Carol, vem sendo carro-chefe do time, com média superior a 16 pontos por jogo nas últimas três partidas. Mas Zé Roberto ainda cobra evolução em outros fundamentos, principalmente passe e defesa.

– O que esta muito positivo desde o inicio é a relação do nosso bloqueio. Sempre tem pontuado. As nossas combinações de ataque já estão melhores, as distribuições. A eficiência nos contra-ataques também melhorou, mas para jogar a Fase Final, ainda pode ser melhor. Nossa defesa tem que ser melhorada. É justamente onde os adversários podem nos atacar.

As 16 convocadas terão um dia de descanso nesta segunda-feira e, na terça, já embarcam para a China. Além do Brasil, também estão na Fase Final as anfitriãs chinesas, Sérvia, Estados Unidos, Itália e Holanda. Atual campeã e maior vencedora da história do Grand Prix, a seleção brasileira busca a conquista do 12º título.

– Ainda precisamos melhorar muita coisa. Isso é com treinamento, repetição, tempo. Mas qualidade e força, esse time mostrou que tem. Precisamos dar continuidade. Vamos encontrar altos e baixos, isso ainda vai fazer parte… Quero ver esses time lutando e brigando cada vez mais. Perder ou ganhar, vai fazer parte da nossa história. Mas o fato de elas irem para cima dos adversários, buscarem a vitória, vestirem a camisa da seleção com muito orulho, força e garra, é o que nós queremos ver, todo mundo quer ver – concluiu Zé Roberto.

O caminho do Brasil no Grand Prix

1ª semana – Ancara (Turquia)
07.07 – Brasil 3 x 0 Bélgica (25/22, 25/23 e 25/18)
08.07 – Brasil 0 x 3 Sérvia (19/25, 20/25 e 19/25)
09.07 – Brasil 3 x 2 Turquia (24/26, 25/17, 25/18, 22/25 e 15/13)

2ª semana – Sendai (Japão)
14.07 – Brasil 3 x 0 Sérvia (26/24, 25/17 e 25/22)
15.07 – Brasil 0 x 3 Tailândia (22/25, 21/25 e 25/27)
16.07 – Brasil 2 x 3 Japão (22/25, 24/26, 25/19, 25/20 e 15/17)

3ª semana – Cuiabá (Brasil)
20.07 – Brasil 3 x 0 Bélgica (28/26, 25/19 e 25/20)
21.07 – Brasil 3 x 1 Holanda (25/17, 25/14, 18/25 e 25/19)
23.07 – Brasil 3 x 1 Estados Unidos (25/20, 25/13 e 18/25 e 25/18)

16

distância para o líder Corinthians ainda é grande, de 10 pontos. Mas a vitória do Grêmio por 1 a 0 sobre o Flamengo, nesta quinta-feira, na Ilha do Urubu, pela 13ª rodada do Brasileirão reforça – e como – a confiança de Renato Gaúcho ao apontar sua equipe como postulante ao título do competição. Após a partida em solo carioca, o treinador afirmou, em uma espécie de previsão, que o Timão irá até “despencar” na tabela na sequência do campeonato e garantiu que o Tricolor tem “muita chance” de brigar com o rival paulista.

“O Corinthians vai despencar. E o pessoal que está chegando vai chegar. O segundo turno vai ser diferente. O Grêmio tem muita chance” (Renato Portaluppi)

O comandante se enche de moral pelo contexto do triunfo desta quinta-feira. Com o resultado, o Grêmio pôs fim a uma série de três derrotas consecutivas no Brasileirão e reassumiu a vice-liderança do campeonato, com 25 pontos. O Corinthians tem 35, em uma campanha classificada como “anormal”.

– Não tirando os méritos do Corinthians. Merece. Mas é uma coisa anormal. Não tem uma equipe que dispara assim no campeonato. O Corinthians tem se aproveitado, conseguido vitória fora de casa. Mas daqui a pouco vai despencar. Não tem uma equipe que comece bem o campeonato e acabe bem. Nem acabou o primeiro turno. O Corinthians vai despencar. E o pessoal que está chegando vai chegar. O segundo turno vai ser diferente. Tem que ter o máximo de gordura para brigar por ele. O Grêmio tem muita chance. O Corinthians tem vantagem. O Grêmio está vivo – afirma Renato.
Renato Portaluppi mantém Grêmio na briga pelo título e prevê Corinthians despencando na tabela (Foto: André Durão) Renato Portaluppi mantém Grêmio na briga pelo título e prevê Corinthians despencando na tabela (Foto: André Durão)

Renato Portaluppi mantém Grêmio na briga pelo título e prevê Corinthians despencando na tabela (Foto: André Durão)

O treinador faz uma análise esperançosa, com expectativa de ver o Corinthians enfileirar uma série negativa com três tropeços seguidos, mesmo após a derrota de sua equipe no confronto direto, na Arena, há três rodadas. Na ocasião, o Grêmio estava a um ponto do líder e poderia até desbancar o Timão em caso de triunfo diante de sua torcida. Não só foi batido por 1 a 0, como amargou ainda outros dois resultados negativos contra Palmeiras e Avaí, e viu os paulistas abrirem os 10 pontos atuais na liderança.

– A qualidade do meu grupo… Tem encantado. Não tem uma equipe no mundo que vai disparar como o Corinthians e vai ganhar todas. No momento em que o Corinthians tropeçar, vai tropeçar três, quatro vezes. Quando tropeçar, o pelotão vai chegar. E o Grêmio vai estar entre eles – ressalta o comandante.

A vitória fora de casa encerra uma série de três derrotas do Grêmio pelo Brasileirão e devolve a equipe à vice-liderança, com 25 pontos, a 10 do Corinthians. O Tricolor volta a campo no próximo domingo, às 16h, quando recebe a Ponte Preta na Arena, pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro.

6

oi o tipo de jogo que o Corinthians gosta: o adversário com maior posse de bola, o Timão apostando nos contra-ataques, abrindo o placar, fechando-se ainda mais, aproveitando o espaço do adversário para marcar mais um gol e, no final, garantindo a vitória. Assim, o líder fez nova vítima, ao vencer o rival Palmeiras por 2 a 0, fora de casa, na última quarta-feira.

A postura do Palmeiras contra o Corinthians foi a esperada: se impôs para tentar o gol. Com 15 minutos, as estatísticas apontavam para 72% de posse de bola do Verdão, que pressionava, tentava forçar erros e tentava sair na frente – algo que ninguém conseguiu contra o Corinthians até agora nesta edição do Campeonato Brasileiro.

CLIQUE AQUI e veja a tabela do Brasileirão

O Alvinegro, com a bola nos pés, apostou em subidas pelos lados do campo, com Guilherme Arana/Romero e Fagner/Jadson. Foi assim que, aos 21 minutos, o paraguaio tocou para o lateral-esquerdo, derrubado por Bruno Henrique dentro da área. Pênalti que Jadson converteu. Veja:
Gol do Corinthians! Arana sofre pênalti, e Jadson converte a cobrança

Gol do Corinthians! Arana sofre pênalti, e Jadson converte a cobrança

Eficiente, o Corinthians suportou a pressão palmeirense o tempo todo. Foram 18 finalizações palmeirenses e “só” três do Timão. E 32 bolas levantadas na área de Cássio.
Corinthians jogou o Dérbi com os seus 11 titulares ideais e venceu mais uma vez (Foto: GloboEsporte.com) Corinthians jogou o Dérbi com os seus 11 titulares ideais e venceu mais uma vez (Foto: GloboEsporte.com)

Corinthians jogou o Dérbi com os seus 11 titulares ideais e venceu mais uma vez (Foto: GloboEsporte.com)

Com qualidade, o Timão foi perigoso na transição ofensiva, criando outras boas jogadas. O segundo gol saiu em outro contra-ataque: Arana tocou para Romero, recebeu na frente e chutou, sem chance para Fernando Prass. Veja o lance abaixo:
Gol do Corinthians! Arana recebe de Romero e amplia, aos 19′ do 2º tempo

Gol do Corinthians! Arana recebe de Romero e amplia, aos 19′ do 2º tempo

Por se tratar de um clássico, o fator nervosismo esteve presente. Rodriguinho abusou das faltas e poderia até ter sido expulso – levou o terceiro amarelo e não pega o Atlético-PR. Fagner perdeu a cabeça e levou até bronca de Jadson ao pé da orelha. Mesmo assim, o time terminou com 11.

A invencibilidade do Corinthians chegou a 27 partidas. Um feito impressionante. São apenas duas derrotas na temporada. Nenhuma derrota em clássico. Na tabela, 35 pontos em 39 possíveis. Quem para o líder?

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Sky Bet by bettingy.com